in

Apple vai lançar serviço de música online

A Apple deverá anunciar no dia 6 de junho, durante a conferência internacional de desenvolvedores, o seu serviço streaming de música na nuvem. A empresa, que já tem um acordo com a Warner Music, teria fechado negócio com a EMI e a um passo de fazer o mesmo com Universal e Sony. As afirmações são de “múltiplas fontes da indústria musical” para o CNET.

Antes da Apple, a Amazon já havia lançado em fins de março o seu serviço Cloud Drive; seguida do Google e o seu Music Beta, anunciado no início de maio. As duas últimas não possuem nenhum tipo de acordo com gravadoras.

Aliás, a Apple nesse campo é a juridicamente menos vulnerável, posto que há conversas com as gigantes da indústria fonográfica. Google e Amazon não selaram nenhum acordo e podem ter o serviço questionado, posto que ainda há muitas indefinições sobre essa prática.

Diferentemente da Apple, em ambos serviços o usuário sobe manualmente suas músicas na conta online e as escuta a partir de qualquer aparelho conectado à internet. O sistema da Apple deve escanear o HD do usuário e automaticamente fazer o upload das músicas encontradas para o serviço na nuvem.

A Apple deverá cobrar um taxa de assinatura, entretanto, um dos problemas citados pela CNET é o de que todo o acervo de música no servidor montado pelo usuário pode desaparecer caso o pagamento deixe de ser feito.

O serviços nas nuvens estão ficando cada vez mais frequentes, mas sua segurança ainda é muito questinada, com o sequestro de dados da rede da Sony que comprometeu informações pessoais de mais de 100 milhões de clientes do conglomerado japonês a computação em nuvem, voltou a ser questionada.

Especialista em segurança digital afirmam que investidores, empresas e consumidores depositaram muita fé sobre a computação em nuvem.”Você não iria querer ter essa confiança na mágica da nuvem. Não é tão simples assim”, disse Mike Logan, presidente da Axis, empresa de segurança de dados. “É como o Facebook. Se você colocar todas as informações importantes ali, adivinhe? As pessoas as verão”.

Empresas de computação em nuvem fizeram um bom trabalho ao convencer consumidores de que seus dados estão seguros, mesmo podendo estar erradas, disse o analista Jay Heiser de segurança na nuvem do Gartner.”Se você está fazendo algo crítico para o seu negócio, precisa de planos de contingência”, disse Heiser. “As mensagens de marketing de algumas empresas de computação em nuvem motivaram as pessoas a encobrir a necessidade de planos de contingência”.

Consumidores confiam na nuvem para gerenciar serviços desde e-mails até relatórios de crédito e pagamento de impostos, frequentemente sem investigar antes a segurança de tais sistemas.

Written by Leandro Isola

Criador do Porta Elos, formado em Gestão de TI e pai do João Olavo. É apaixonado livros e boa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Amazon já vende mais livros digitais do que físicos

Brasil é o sexto maior mercado de TI