in

Conheça o maior vendedor de games do Brasil

Publicidade

Sem ser um nerd ou um expert no mundo digital, o empresário Claudio Macedo transformou uma microempresa que vendia jogos eletrônicos para seus amigos na maior distribuidora do setor no Brasil, com faturamento anual de R$ 200 milhões.

Há duas recomendações básicas para todo empreendedor: acreditar em sua ideia e ter paciência. O engenheiro Claudio Macedo fez desse pensamento o seu mantra para administrar a distribuidora de jogos NC Games. Ao fundar a empresa, em 1995, em São Paulo, ele apostou que o então incipiente mercado de videogames um dia se tornaria coisa de gente grande e atrairia o interesse dos maiores fabricantes internacionais para o País.

Acreditou também que a pirataria, mesmo com os prejuízos que causa, não fecharia totalmente o caminho para os lucros nesse segmento. Passados 16 anos, a perseverança rende frutos. Com um faturamento de R$ 200 milhões em 2010, um crescimento de 112% em relação ao ano anterior, Macedo projeta para 2011 uma expansão de, no mínimo, 50% no faturamento e prepara investimentos de mais de R$ 20 milhões. A razão para o otimismo é que o Brasil entrou de vez para o circuito global dos videogames. “As grandes multinacionais do setor finalmente descobriram o País”, afirma Macedo.

Para ele, isso não se dá por acaso. Companhias como Sony, Microsoft e Nintendo passaram a investir mais no Brasil nos últimos anos porque em seus respectivos mercados a vida não está fácil. “Eles nunca olharam para cá porque antes cresciam 15% ou 20% ao ano nos EUA, Europa e Japão”, diz.

“Agora, a realidade é outra”, diz. De fato, no ano passado, o mercado americano de jogos registrou queda de 3% em receita, totalizando US$ 10,1 bilhões. O Brasil, por sua vez, cresce a uma média anual de dois dígitos. O cenário internacional sombrio fez a Sony e a Microsoft iniciarem a venda no Brasil de, respectivamente, Playstation e Xbox.

Grandes desenvolvedores de jogos, como a Konami, Electronic Arts, Warner e a própria Nintendo também reforçaram as atividades aqui. Um pequeno exemplo disso, mas com repercussão nas vendas, é a tradução para o idioma português, como aconteceu com o jogo Pro Evolution Soccer 2010, da Konami, o mais vendido do Brasil.

Publicidade

E quem se beneficia desse movimento são as distribuidoras nacionais, como a NC Games. Diante do aumento da demanda, a empresa ampliou seu centro de distribuição de quatro mil metros quadrados para sete mil metros quadrados. A experiência nos negócios fez Macedo conhecer bem a área de videogames, mas ele não é um praticante dos jogos. Na realidade, o empresário diz que nem sempre tem tempo para jogar. O que ele gosta mesmo é de vender. “Tenho espírito empreendedor e foi isso que me fez apostar no setor.”

Como surgiu:

Nos tempos de faculdade Claudio Macedo, quando, aos 19 anos, passou a vender informalmente alguns jogos para amigos. “Vi que essa atividade tinha futuro e aluguei uma sala para iniciar a empresa”, conta. A maior dificuldade no início era comprar os produtos, pois os desenvolvedores não se entusiasmavam com a ideia de fazer negócios com ele. Hoje, ele trabalha com todas as grandes marcas e tem exclusividade de muitas delas no Brasil.

Conquistar a confiança da indústria foi tarefa fácil perto da batalha com um inimigo tinhoso: a pirataria. “Sem dúvida, é o meu maior concorrente”, diz. Segundo dados da NC Games, no ano passado a venda de jogos e consoles do Brasil movimentou R$ 950 milhões, cifra que provavelmente ultrapassará a casa de R$ 1 bilhão em 2011.


Algumas marcas que a NC representa

Esses números poderiam ser bem maiores caso não houvesse o mercado paralelo. “Não há como competir com alguém que vende a R$ 10 um jogo que vale R$ 200”, diz Macedo. “Mesmo que eu reduza o preço em 50%, continuarei num patamar muito distante.” Ainda assim, reconhece Macedo, não é o caso de ficar chorando as pitangas: quem atua no mercado formal tem espaço para expandir graças às camadas mais abastadas da sociedade. “O Brasil sempre teve uma classe A que não se importa em pagar o preço que for para adquirir o que deseja.”

 




 
Fonte : Istoé

Written by Leandro Isola

Criador do Porta Elos, formado em Gestão de TI e pai do João Olavo. É apaixonado livros e boa informação.

Comente !
  1. PES 2011???Será que no Brasil o povo so gosta de game ruim?Ninguem sabe que existe um Dead Space, um Resident Evil, um Crysis 2, mas justo PES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google investe na maior estação de energia solar do mundo

Criando um ponto de restauração no Windows 7