in

Manifestantes voltam a protestar em frente da casa do governador do Rio

A manifestação pacífica na esquina da Avenida Delfim Moreira com a Rua Aristides Espíndola, no Leblon, zona Sul do Rio, na noite de hoje (4), registrou um momento de tensão quando chegaram ao local dois estudantes do grupo que foi recebido pelo governador Sérgio Cabral na quinta -feira (27) passada, no Palácio Guanabara, sede do governo do estado.

Os dois foram chamados de infiltrados e um deles, identificado como Eduardo Oliveira, foi retirado do local por policiais militares do esquema montado pela PM, que interditou trecho da Rua Aristides Espíndola, onde mora o governador.

Luiza Dreyer, de 22 anos, integrante do Ocupe a Delfim Moreira, grupo que inicialmente acampou durante dez dias no cruzamento, disse que os dois foram recebidos com indignação por que chegaram como se nada tivesse acontecido. A estudante explicou que os manifestantes que hoje estavam protestando também contra a retirada dos acampados na madrugada de terça-feira (2), segundo ela de forma violenta, não se sentem representados pelo grupo que foi recebido por Cabral.

“Foram reprimidos por todos, por que eles não representam a manifestação do acampamento e nem a que está aqui contra a repressão que foi feita para tirar todos os 15 acampados em dez barracas. Eles são os culpados por a gente ter saído. Depois do encontro que o secretário de Direitos Humanos [secretário do estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira] veio falar com a gente, foi marcado um encontro para cinco dias depois. Eles aproveitaram a oportunidade e foram falar com o Sérgio Cabral em dois dias sem avisar para a gente, sem pauta, sem ser aberto à mídia, sem transmissão ao vivo, tudo que a gente não pregava desde o início. Eles aparecerem aqui é uma verdadeira cara de pau”, explicou.

O ator Pedro Casarin, de 22 anos, que também fazia parte do grupo Ocupe a Delfim Moreira, disse que ele e a mãe receberam ameaças no domingo (23) por permanecerem no local. “Falaram que eu estava correndo sério risco e estava me expondo muito. Tiraram foto minha. A sensação de insegurança era real”, disse, acrescentando que não tem a intenção de acampar outra vez naquele cruzamento.

A coordenadora do Movimento Dia do Basta, Geruza Lopes, disse que o ato de hoje não tem somente um organizador. “As pessoas foram se comunicando pela internet”, disse. Os manifestantes desta quinta-feira não fazem parte do grupo que foi recebido pelo governador na semana passada.

Fonte Agência Brasil

Written by Leandro Isola

Criador do Porta Elos, formado em Gestão de TI e pai do João Olavo. É apaixonado livros e boa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Capas para Facebook 5

Como surgiu a coroa de flores