in

Rock in Rio – Uma aposta que deu certo

Quando o empresário Roberto Medina planejou o primeiro grande festival de rock do Brasil, em 1985, muitos o consideraram louco. Mas ele foi um visionário. Apostou num nicho praticamente inexistente no país, sem ter nenhum parâmetro anterior por aqui. Mas venceu e estabeleceu uma das maiores grifes mundiais no gênero.

Outro Rock in Rio acabou de acontecer na cidade do Rio de Janeiro e novamente com muito sucesso. Com a presença de grandes artistas como Bruce Springsteen, Justin Timberlake, Beyonce, Iron Maiden, Metallica, Muse, Slayer e vários outros: o evento foi um grande sucesso em todos os dias. Sem se prender a um único gênero musical, agradou a diversos públicos, desde os adolescentes até os roqueiros da pesada. Teve show para todos os gostos.

Além da visão de puro entretenimento, o festival se destaca como um grande empreendimento comercial que agrega valores à cidade do Rio de Janeiro e ao Brasil como um todo. Movimenta o comercio, a indústria, o turismo, a mídia, uma rede de negócios que constrói não apenas uma marca conhecida em quase todo o planeta, como também fideliza um público ávido por boa música em todo o mundo.

Também se preocupa com uma contrapartida social, desde a edição de 2001 ele acoplou os shows apresentados ao projeto Por um mundo melhor, que nesta edição exaltou a sustentabilidade com a gestão de resíduos do programa Lixo no lixo, compensação do gasto de CO² e promoção de um concurso de vídeo com parceria da UNAIDS e Sociedade Viva Cazuza.

O poker tem algumas regrinhas básicas para o sucesso na carreira de um jogador que podem ser aplicadas aos negócios. Nesse caso, o contínuo êxito do Rock in Rio pode ser explicado também se elas forem lembradas:

1- Ter uma visão de longo prazo
2- Só jogar para vencer
3- A hora certa de sair

Mesmo quando a crise se instalou no Brasil, com dólar em alta e pouco dinheiro pra investir, a ideia do festival não se acabou. Procurando alternativas, o empresário Roberto Medina inovou e transferiu os espetáculos para Europa. O festival aconteceu em Lisboa e Madri, levando a marca consagrada para outros públicos. Foi uma medida inovadora, ousada e empreendedora. Deu tão certo que ele repetiu a dose novamente nas duas cidades.

Hoje, investir no festival é uma aposta certa de sucesso. Ele possui cerca de 60 patrocinadores e apoiadores nacionais e multinacionais. É transmitido por canais de TV, internet, rádio e internet – ao vivo – tem produtos com sua grife vendidos nas lojas da Cidade do Rock e via internet. Enfim, é uma marca consolidada. Já está agendada uma nova edição em 2015, com a promessa de transmissão através de telões, em cidades de outros países – provavelmente em Londres e Nova Iorque – demonstrando a credibilidade e a força do evento.

Written by Leandro Isola

Criador do Porta Elos, formado em Gestão de TI e pai do João Olavo. É apaixonado livros e boa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Conheça o Belgian Blue, o boi bombado

Gugu volta ao SBT com programa aos sábados