in

Maria da Penha : Bolsonaro muda lei e agressor pode ser tirado de casa sem decisão judicial

Maria da Penha

O presidente Jair Bolsonaro sancionou mudanças na Lei Maria da Penha para facilitar a aplicação de medidas protetivas de urgência a mulheres ou a seus familiares. Agora quando constatada a existência de risco iminente à vida da mulher ou de seus dependentes, o ‘agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência’.

Com a mudança, o afastamento do agressor caberá à autoridade judicial ou ao delegado de polícia, quando o município não for sede de comarca; ou mesmo a um policial, quando o município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.

Antes, a lei estabelecia um prazo de 48 horas para que a Justiça fosse comunicada sobre as agressões antes de providenciar o afastamento.

“Representa um avanço no combate à violência contra a mulher, mas ela é muito limitada ao permitir que o Delegado conceda apenas a protetiva relacionada ao afastamento do agressor do lar, mas somente quando o Município não for sede de comarca (local que não tem juiz). É por essa razão que sua eficácia é baixa”, diz o Delegado da Polícia Civil de São Paulo Thiago Garcia.

Os responsáveis pelas delegacias especializadas tendem a ficar com as mãos atadas quando a mulher retrata o provável ato de violência. Essa iniciativa irá dar a esses profissionais mais capacidade de reação.

Mas muitas pessoas acham que essa mudança de lei precisava ser mais discutida para não infingir outras leis, até mesmo movimentos d direitos da mulheres e demais associações profissionais do Direito também veem com ressalvas a lei sancionada por Bolsonaro.

O medo é de inconstitucionalidade do artigo 12-C, que atribui a um delegado de polícia o poder para expedir medidas protetivas.

Sobre a inconstitucionalidade do artigo 12-C, segundo a defensora pública Ana Rita de Souza Prata, da Defensoria Pública de São Paulo, a tempestividade da aplicação da lei Maria da Penha envolve outras competências que não as exclusivamente judiciais. Os gargalos envolvem o descumprimento das varas de violência doméstica, a falta de investimentos nas políticas preventivas e nos cursos de reeducação dos agressores.

“Essa alteração enfraquece a lei porque diminui seu objetivo principal, que é combater as causas da violência contra a mulher e preveni-la”, diz Ana Rita de Souza Prata.

Uma pesquisa feita pelo DataSenado, informa que  uma em cada cinco mulheres já foi agredida pelo companheiro ou ex-companheiro no Brasil e 56% das mulheres, em 2015, afirmaram que a lei Maria da Penha lhes dá segurança.

Written by Leandro Isola

Criador do Porta Elos, formado em Gestão de TI e pai do João Olavo. É apaixonado livros e boa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Campanha do Agasalho 2019

Veja como participar da Campanha do Agasalho 2019

adotar

Crianças são expostas em “desfile” de adoção em Shopping