Pastora e cantora gospel
in

Pastora e cantora gospel agride sogra de 73 anos, na frente de crianças, veja o video

A Polícia de Nova Andradina está investigando, um caso de agressão contra uma idosa, feito por Lucimara Pires, pastora e cantora gospel , ocorrido Nova Casa Verde,  Mato Grosso do Sul.

Lucimara Pires se justificou dizendo que idosa bateu nela primeiro, o boletim de ocorrência foi feito por uma neta da senhora e o vídeo da suposta agressão viralizou e já circula nas redes sociais. Segundo a pastora, ela foi xingada e agredida pela sogra e quando estava se defendendo, o marido, começou a filmar para mostrar aos irmãos e familiares que estava sofrendo com as atitudes da mãe

“A mãe do meu esposo é muito transtornada, aparentando um descontrole anormal, me agrediu sem motivos, com muitos insultos. Fui obrigada a respondê-la, sem qualquer violência. Não houve nenhuma agressão física”, disse.

Veja o video da suposta agressão :

Em entrevista ao site Correio, a missionária confirmou o episódio, mas negou ter batido na sogra.

“Ninguém da família quer ficar com ela [idosa], então resolvemos ficar até que uma filha que mora em Nova Casa Verde, alugasse uma casa aqui em Nova Andradina, para morar com ela, mas desde que estava em nossa residência, foi uma tribulação, uma perturbação, cheguei a ligar no Corpo de Bombeiros e na Polícia Militar no dia 7, mas me disseram que não podiam fazer nada”, conclui a pastora.

O caso segue em segredo de justiça e a polícia investiga se houve maus-tratos ou vias de fato mediante a violência doméstica.

Written by Leandro Isola

Criador do Porta Elos, formado em Gestão de TI e pai do João Olavo. É apaixonado livros e boa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

fim da auto escola

Projeto de lei quer acabar com as aulas obrigatórias para a carteira de motorista

Vale sabia do risco de tragédia em Brumadinho

Vale sabia do risco de tragédia em Brumadinho desde 2017 e calculava 215 mortes