depressão e suicídio
in

Por que falar sobre prevenção do suicídio é importante ?

Publicidade

A cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Por ano, são 800 mil pessoas que falecem dessa forma e esse número ultrapassa óbitos causados por outras situações como câncer de mama, malária, guerra civil e homicídio, de acordo com a ONU.

Cerca de 79% dos casos mundiais ocorrem em países de baixa renda e o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens na faixa etária dos 15 a 29 anos. Diante disso,  qual é o problema de tratar o assunto como tabu? O suicídio é uma questão de saúde pública e ao contrário do que muitas pessoas pensam, falar sobre o assunto promove conscientização social e pode ajudar a salvar uma vida. Aliás, você sabia que 90% dos suicídios poderiam ser evitados com diálogo?

É por isso que a campanha “Setembro Amarelo”, criada pelo Centro de Valorização da Vida (CVV) foi criada, afinal, falar e ouvir uma pessoa que esteja cogitando suicídio é a melhor solução. Se interessou pelo assunto? Leia mais e compartilhe essa ideia!

Por que “Setembro Amarelo”? 

Setembro amarelo

Nas campanhas de prevenção contra alguma doença, é comum a adoção de uma cor para o mês onde as informações são mais propagadas. O amarelo, neste caso, tem uma explicação  simbólica: o suicídio de um adolescente americano chamado Mike Emme que amava a cor amarela. 

No dia do funeral do jovem, havia uma cesta com 500 cartões amarelos que continham a seguinte mensagem “Se você precisar, peça ajuda”.  Os cartões se espalharam e a repercussão foi vários pedidos de ajuda nos Estados Unidos.

Depois do ocorrido, os pais de Mike participaram do início de um programa de prevenção contra o suicídio chamado “fita amarela”  e desde então, órgãos internacionais adotaram a cor amarela para fazer campanhas sobre o assunto.

Veja em nosso site : 

Fotos Mostram Que A Depressão Não Tem Rosto

Mal Do Século: Por Que A Depressão Considerada Dessa Forma?

Como falar sobre suicídio ?

suicídio

Ao divulgar informações ou conversar com as pessoas sobre o suicídio é importante ter cuidado, seriedade e empatia com as palavras usadas. Não tratar o suicídio como uma escolha é fundamental, já que o objetivo da campanha é justamente incentivar a pessoa com ideação suicida a procurar ajuda e saber que tem solução. 

Publicidade

As estatísticas falam muito sobre esse problema de saúde pública, tanto que esse texto inicia com dados sobre essa situação. No entanto, não reduzir as pessoas a números e explicar como a pessoa pode buscar ajuda, humanizando a abordagem pode ser muito mais eficiente.

Não invisibilizar o problema já é um grande avanço, mas saber o limite ético, respeitar a fragilidade das pessoas que já tentaram suicídio ou perderam alguma pessoa dessa forma é fundamental para não passar uma mensagem equivocada.

Falar sobre o tema é uma forma de quebrar o preconceito e o estigma que ainda é muito presente em relação à saúde mental e muitas vezes impede a pessoa de buscar ajuda especializada. Em resumo, é importante lembrar que:

  • Escutar sem julgamentos é importante;
  • Não  se deve associar o suicídio à falta de religiosidade;
  • A melhor forma de abordar o assunto é falar sobre a prevenção do suicídio;
  • Não se deve divulgar o assunto de forma sensacionalista;
  • Enfatizar que momentos difíceis podem ter uma saída é importante.

Saiba onde procurar ajuda

Uma das formas de procurar ajuda é o Centro de Valorização da Vida (CVV), iniciativa criada em 2015 pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e pelo Conselho  Federal de Medicina (CFM). 

O CVV é uma central telefônica e por meio do 188,  a pessoa pode buscar apoio emocional de forma totalmente gratuita e sigilosa. O programa funciona 24 h por dia, todos os dias da semana. Também é possível buscar atendimento pelo site da iniciativa,  programas de terapia acessível ou recorrer à rede do Sistema de Único de Saúde (SUS) por meio dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

Compartilhe esse conteúdo e ajude a fortalecer a importância de quebrar esse tabu!

Written by Bruna Martins Oliveira

É jornalista formada pela PUCPR. Autora da monografia ‘O Transtorno Bipolar na perspectiva da mídia: uma análise do Paraná no Ar’ e escreve para áreas como saúde, bem-estar e comunicação.

What do you think?

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0
Torta Bicho de Pé

Receita torta bicho de pé

mulher atropela cachorro

Mulher atropela cachorro e tira sarro no Facebook